Não poderia ser de outro jeito'

Há muito tempo eu e Luise somos amigas.
Costumávamos jogar pedras na piscina da minha casa apenas para fugir da monotonia.
Luise esteve ao meu lado quando eu perdi meu primeiro dente numa queda de bicicleta, segurou minha mão quando eu arranhei meu joelho no futebol da escola e me deu uns bons puxões de orelha quando dei um palavrão inesperado devido a nota baixa na minha prova de português.
Nossas mães foram amigas na faculdade, casaram-se com seus primeiros namorados e até hoje, vivem suas vidas felizes de conto de fadas. Quando nossas mães descobriram que ficaram grávidas na mesma semana e que teriam filhos em datas próximas, planejaram todo o nosso futuro. Emilly teria uma linda filha de nome Luise, loira e esguia, enquanto minha mãe teria um bom filho, corajoso, amoroso, alto e forte. O que ela não esperava é que a ultra-som enganaria a todos. Então somos nós, duas amigas, duas irmãs e nada dos planos de casamento de nossas mães.
Luise sempre fora a filha ideal, a querida das duas casas. Eu, Melissa, sou na verdade, uma substituição tosca de filho. Minha mãe nunca superou o fato de não ter tido um filho homem, de não poder unir em matrimônio uma amizade tão antiga quanto a dela com a Emlly. Mas eu não tenho culpa, nunca terei. Eu não determino o futuro, eu não escolho os caminhos que segui Deus, ciência, genética ou qualquer outra concepção sobre o fato.
Na verdade, eu não gostaria de ser um garoto se pudesse. Luise nunca seria minha amiga, confidente, irmã e principalmente minha cumplice na caçada aos garotos se eu fosse um.
É por isso que nos damos bem e sendo assim, não há motivos para querer mudar.
Um certo dia, eu ouvi meus pais conversando sobre o assunto, falavam como teria sido doce um filho homem, falavam também em como eles educariam um menino para ser o cara perfeito. Em meu esconderijo só pude pensar: - mãe, pai, não existe ninguém perfeito, e talvez ele nunca enxergasse Luise como uma garota para se namorar, ele poderia muito bem ver a Luise como eu vejo, como uma irmã magrela e sem graça. Mas isso são os meus pensamentos e nada pude fazer para demonstrá-los.
Meu papai perguntou-me sobre ter um irmão de verdade numa noite de natal. Ele queria saber se eu seria mais feliz com alguém para dividir meus dias, meus sonhos, meus planos. Alguém para brincar na rua e contar histórias quando estivesse chovendo lá fora. Ele falou sobre compartilhar com alguém as experiências que eu adquirir ao longo dos anos e disse-me que esse 'irmão' estaria sempre presente quando eu precisasse.
A minha resposta foi direta: - Pai eu já tenho tudo isso, eu tenho alguém que nunca sairá do meu lado, alguém que sabe de mim quanto eu mesma. Pai, mas você acha que eu não posso ver que na verdade eu não sou a filha certa para vocês. Você acha que eu não percebo que tudo em mim é um grande erro e que na verdade eu não deveria ter nascido. Vocês sonharam com um garoto de cabelos cacheados e olhos azuis e não uma garota ruiva desbotada com pintinhas por todo o rosto. Eu sei pai, eu escuto o choro da mamãe à noite e sei que ela nunca vai me amar como ela ama esse filho que nunca existiu.
Ele se inclinou para um beijo em minha testa enquanto sorria de algo que eu não entendi.
Disse-me que eu ficaria bem do jeito que estava e que na verdade quem não percebia as coisas era ele e a mamãe e que eu tinha tudo que precisava: uma amizade sólida e verdadeira.


- Edição Musical -

6 Comentários:

Babih Xavier comentou:

Credo que chato ser rejeitada pelos pais... ainda bem q nunca passei por isso, deve doer muito \o

Bell Souza comentou:

é um texto fictício! hudhuhuhsuhdushd.
beijos fofa!

dianaBruna comentou:

Lindo, Bell.
Bem expressado, bem a sua cara.
XD
bjinhos

Chris comentou:

Ficticio? Jurava que era verdade. Me enganou bem.

L. comentou:

é fictício? nossa.. eu to aqui com os olhos encharcados de lágrimas... kkkkkk

Maas, que bom que não é verdade, pq é tão triste...

;*

Noy Medeiros comentou:

PEEEEEEEEEEEEEEEERFEITO!

nossa beel, sabe vc escreveu muito bem mesmo! deveria ser 1°lugar, um dos seus melhores texto , me indentifiquei tanto!
Continuua viu vc tem futuro!

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth