Ela e Ele.


Ele tomou-a em seus braços maciços como rocha, num aperto sufocante, enquanto ela tentava limpar com as pontas dos dedos sua última lágrima que escorria pela bochecha quente.
Ele sabe que seu amor é proibido, afinal, ela é a irmã caçula do seu melhor amigo, apenas uma criança de quatorze anos.
Mas tê-la ali, protegida de qualquer perigo externo, valeria todo o risco, toda consequência.
Ela sabe que nunca amará um outro alguém como o ama. Nenhum outro garoto entenderia tão bem seus conflitos pessoais e nenhum outro garoto acharia graças das abobrinhas que costuma dizer.
Ela deixou que ele a prendesse naquele abraço de urso por um tempo inimaginável. Sua mente girava atônita com a intensidade dos seus sentimentos. Se permitia inalar o cheiro seco do perfume masculino e se encantava consigo mesma, do quanto poderia ser forte em não olhar para trás quando chegasse a hora de partir.

Prendeu-se ainda mais nele. Fincou as unhas na nuca do seu amor de vinte anos e sonhou. Lembrou com exatidão o dia em que perdeu a inocência para ele e, fixou-se no ponto da memória onde os sussurros apaixonados se tornaram exclamações de amor.
Ele lembrou dela andando de bicicleta acenando sorridente. Segurava os ombros da criança, consciente dos seus sentimentos impuros, aflorando, ganhando espaço. Tentava vê-la como sua irmã, mas esse pensamento era ainda mais difícil do que ficar longe.
Ele rodopiou-a no ar. Intensificando a bolha no qual estavam. Depois de dois giros, ela gemeu alto desprendendo-se.
Estava enjoada, não tinha dúvidas. Mas não era o enjoo costumeiro de uma gravidez. Era aquele enjoo chato e deprimente de quem precisa decidir se segui em frente ou fica para trás, no passado.
Ele a fitou como se estivesse diante de um anjo. Um olhar místico em contemplação de um segredo.
Ela é isso, seu segredo. Sua menina, sua mulher. E assim será.
Porque quando o céu resolve unir dois corações, quando o mar serve de cúmplice para o enlace e o ar carrega o doce aroma recolhido do beijo, nem o tempo, a idade, questões sociais e relacionamentos futuros poderão apagar a que já foi feito, o que já foi dito.

***
Em meu escritório, lendo os velhos livros, vago para a estação hoje abandonada. Para a irmã caçula do meu melhor amigo e para o trem que me levou embora.
Sendo ele, o ele dela, pego a carta que tenho guardada há vinte anos e que até então não tinha tido coragem de ler. Ela disse em poucas palavras:
- Algo que aprendi foi que diante do amor verdadeiro não se desiste, mesmo que a pessoa implore que desista.
Arrumo tudo dentro da pasta, pego o casaco no gancho atrás da porta e vou ao encontro da única mulher que amei.
Eu nunca desisti, e nunca desistirei.

12 Comentários:

Camila. comentou:

texto lindo demais,
Boa sorte no Sílaba Tônica.

Monique Premazzi comentou:

Obrigada por me matar, Bell u.u

QUE COISA LINDA ):
Meu coração bateu forte a cada linha desse texto. Perfeito!
To achando horrível a minha versão agora KKKKKKKKKKKKKKKKK *cai*
Amanhã vou postar pra você ver *-*

E VOCE SUMIU SENHORITA
rãm

xx

Tati Tosta comentou:

Texto lindo. Amei.
Intenso e bom.

Oi Bell...

sobre o seu comentário... Gostaria de saber quais palavras, me importo com o que transmito, por isso gostaria de saber e como vc faria.

Se vc puder me responder... Estou no aguardo

meu e-mail tatitosta@gmail.com

Grande beijo

@juusep comentou:

tenso quando é proibido e talz :\\
beijo

L. comentou:

"Ele tomou-a em seus braços maciços como rocha, num aperto sufocante, enquanto ela tentava limpar com as pontas dos dedos sua última lágrima que escorria pela bochecha quente..."


Já vivi algo parecido... E ah!, é verdade, por mais que digam -desista, não há como desistir do que se acredita...

;*

Taynara Ambrósio comentou:

Ai, seu texto pro sílaba tá mt lindo. Boa sorte aí viu.

E do verdadeiro amor, realmente não se desiste. <3

bjs :*

Bell Souza comentou:

Obrigada amores!

Cizz comentou:

Muito bom!
Vc escreve muito bem!

http://contosdaminhanoite.blogspot.com/

Manuh *.* comentou:

a história é linda.
boa sorte na promoção :)

Manuh *.* comentou:

é dificil lembrar das coisas boas :(
queria muito fazer isso.
beijos
:*

Jorge Lima comentou:

Tenso e intenso...
Caramba... chorei...

Isadora Beatriz comentou:

Ai gente é muito romance para um dia só e eu sou super sentimental, embora, disfarce muito bem. Ai lindo, tão belo *-*

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth