Despopular o Cérebro:

Agora vivo choramingando no ouvido dos outros. O que eu penso que sou?
Se ele estivesse aqui me levantaria da tristeza apática com um beliscão.
O Rô me faz ver o quão medíocre são meus textos, e sem a Cah, sei lá, falta uma parte.
Eu vivia dizendo a ela que meus textos não eram meus e sim, nossos. Tão meu quanto dela. Agora eu vejo que o dito se concretizou. Eu ligo a tv, mudo o canal e nada! Aumento o volume do rádio, escuto umas músicas e nada! Eu e a minha insegurança! Rô e seus escritos complexos.
Inveja, mas não do Rô ou dos seus textos. Inveja da minha complexidade que eu troquei por preocupações minúsculas da realidade alada.
Na velocidade de um "click". O Rô falaria em metáforas, descreveria em acentuada análise da sua compreensão superior.
E eu não, formularia os meus próprios vagabundos ofícios corriqueiros. Esperaria por um novo surto de inspiração para voltar a rabiscar medianidades.
E que egoísmo esse meu! Tratar dos meus problemas pessoais enquanto a metade do mundo passa fome!
Mas o Rô trata dos seus e ninguém diz nada. E também  estou farta de dormir depois da meia noite. Acordo com a cara toda inchada e os olhos fundos e se isso continuar, não terá plástica que dê jeito.
Que me achem falsa depois disso. Estou me lixando se vão rir dos meus olhos novos e da cara esticada.
O Rô é feio que dói e muita gente faz pouco caso. Mas isso de não escrever bem devido a falta da Cah só me veio na mente agora.
Estava achando que era uma depressão passageira e não a falta de alguém, ou talvez seja depressão mesmo.
Gostaria, sinceramente, aprender a espremer a mente como eu espremo as laranjas para fazer suco.
Que coisa arcaica é espremer laranjas, mas tenho apreço pelo antigo.
Gostaria de chorar os pensamentos igual as nuvens choram chuva. Mas assim seria fácil demais, mesmo que em certos lugares a chuva custe a chegar.
E eu sei que está tudo uma porcaria. Foi exatamente por isso que eu peguei uma gramática emprestada na escola. Que é pra ver se depois de aperfeiçoada a sintaxe, a morfologia e a idéia eu consiga deixar essa porcaria melhor.

- Um daqueles meus textos: "cuspindo fogo" pra acender carvão.

4 Comentários:

Tati comentou:

Apesar de vc dizer que é um texto ' cuspindo fogo' pra acender carvão'

Eu gostei muito. Achei-o até doce em alguns pontos...

Gostei da frase: 'Gostaria de chorar pensamento igual as nuvens choram chuva'

.

Em um monte oportuno, as palavras chegam a galope, tenha pressa não.

Beijos

dianaBruna comentou:

Agora sim, vejo pedaços de Bell d volta.
Onde estava a menina das palavras fortes e expressões ferinas que eu havia visto, ainda inexperiente e infeliz com o layout do blog? Aquela que não media muito as palavras pra escrever o que lhe parecia vir à mente, que foi o que me fez parar e seguir, realmente, o blog.

Voltou um pedaço dela.
Que volte inteira, e com força.
Que assim é que é bom.

VaneZa comentou:

Agora fiquei sem saber se é um caso real ou ficção. Sou nova por aqui e não entendi muito bem esse fogo cruzado. rs

BeijoZzz

Bell Souza comentou:

Obrigada meninas e principalmente eu quero agradecer a Diana!!! Obrigada por concretizar aquilo que eu já estava pensando! mil beijos e que bom que está achando novamente o interesse nos meus escritos. ["escritos" é coisa da Tati hauahau]

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth