Meias mentiras.

- Irá (ele) mesmo sofrer caso eu cate as coisas, feche as malas e vá embora?

Meu tico-e-teco ficou atordoado depois do jantar, e a sopa da meia-noite agravou este meu caso já grave. Perguntei-me entre a digestão, o gosto e a falta da fala se (ele) sofreria como diz.
Duvido que pense em se matar; tirar vidas passou longe (dele) e, muito mais improvável seria toda essa atenção que (ele) jura me devotar até o fim dos tempos.
Longe de mim, pensar mal de quem me faz, inegavelmente, bem; mas conheço os homens tanto quanto o meu reflexo no espelho; a forma refletida não me engana a cara, as linhas, a reza. O conteúdo me é familiar como o sabor do beijo da boca do homem que enrosca a face em meus cabelos e perde os dedos, unhas, fibras e tostões dentro das minhas roupas não tão limpas.
E esse sabor marcado na boca, às vezes, é tão amargo quanto o suor que (lhe) escorre o corpo.
Reflito sobre as noites que não passamos juntos e o sexo que nunca achou hora nem lugar para acontecer por mais que estivéssemos dispostos, por mais que implorássemos por isso.
E vendo-o ali, no meu portão, antes da sopa me causar efeito adverso, frágil como os tufos claros que cobrem-(lhe) a cabeça, é que me apercebo ser malvado. Enquanto (ele) chorava por dentro e permitia-se um meio sorriso pouco convincente, eu gemia baixinho essa dor de passar um ano fora sorrindo profundo com mil dentes à mostra as alegrias de tê-lo sempre meu, ao alcance do querer-fazer.
Não, não sou masoquista, dissimulada ou estratégica; mas estas, são minhas (falsas) meias mentiras.

"É assim que isso funciona
Nós somos jovens até não sermos mais.
Você ama até não amar mais
Você tenta até não poder mais
E ri até chorar, e chora até rir
E todo mundo deve respirar
Até o ultimo suspiro"

On the radio - Regina Spektor.

Hoje é o aniversário da minha amiga-irmã Carla Jane Coelho. Te amo meu benzinho. E ainda vamos viver muitos anos dessa nossa amizade que já criou raízes muito mais profundas que a distância entre o Brasil e o Japão. (Observação feita pelo Mapa Mundi)

7 Comentários:

Anônimo comentou:

Lindo lindo blog mesmo, fechou o post com mesma classe que o começou, amei !

Tina comentou:

às vezes é necessério fingir que não está sofrendo p. tentar convencer a si mesmo de que não está.

beeijo

www.fleur-du-matin.blogspot.com

Chica comentou:

fiquei a pensar se uma falsa-meia-mentira não seria uma verdade completa '-'

beijas, bell-doce :*

dianaBruna comentou:

Lindo mesmo!
O jeito diferente der escrever que me cativou ao achar o seu blog, tempos atrás.
Perfeito, amiga.
Beijos

- Hemilly Mares, comentou:

Nossa. Meias mentiras, verdades não ditas... vai ver né. Adorei mesmo o texto, escreve muito bem.

Grazzie Santos comentou:

ownt! mega amei a citação da Regina.
Sim, sou amiga da Carla, somos da mesma sala no colégio :]

beijoooos :*

Pegadas do Coração comentou:

Ficou massa!Lindoo! Gostei do blog..
Seguindo..

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth