Vivências.

As pretensões mudaram com os anos levando junto as palavras que eu costumo ouvir. Acordava à noite ofegante por sonhar com os contos, prosas e rimas que escreveria no dia seguinte e, por muitas vezes, dedicava o resto da noite para não esquecer uma só entonação.
Visitando os amigos novos, percebi a futilidade que me aflora a pele e os encantamentos que não se fazem presente. Por acelerar o relógio e não frear o carro na esquina. Passo direto e sigo com os olhos vendados e vai o mundo rodando mais uma vez. E as pessoas sozinhas nos bares, e as crianças mendigando nos pontos e os senhores dormindo na chuva.
Pretendia uma explicação concreta das inquietações por dentro [no ser] e no interior [na mente], mas explicar o quê, se sou tão assim: explícita?
Meus floreios constituem-se dos espinhos, e espinhos não são armas letais em minhas mãos. Só um punhado de dores, dos outros e de todos que gosto de expor às vezes para que a corda que me sustenta fique bem esticada.
E peço, gentilmente, um pouco menos de hipocrisia. Se quiseres saber onde estou, com quem estou e por onde vou, amarre as perguntas no cais e jogue o corpo todo no mar dos meus escritos. Eles são para quem gosta de ler e são mais ainda para os correm das compreensões tatuadas na cara.
Dou-me somente às minhas propagandas, vendo apenas o meu conteúdo se assim preciso for, eu reconheço os bons debaixo do meu nariz, em cima da ponte, e no outro ponto do pólo. 
E já que vivo dizendo isso, é melhor repetir: obrigada aos fiéis pela dedicação e aos infiéis pelo divertimento que é tê-los.

Ps: Eu entendo que todos gostam de atenção e reciprocidade, mas às vezes, certas pessoas exageram e de exagero da unha do pé ao fio dos meus cachos vermelhos basta eu.
E se você vem aqui no About my Truth porque tem admiração pelo meu talento [se é que eu tenho isso] e pelas linhas escritas nessas mais de 135 postagens clique no link de votação para o meu blog virar livro. Você estará me ajudando e ajudando a expandir as minhas idéias a todos os outros que ainda não conhecem meu espaço. 
Eu realmente sou grata a vocês, afinal, vocês fizeram do meu projeto uma realidade. Vote aqui!

9 Comentários:

Luiza comentou:

O mais incrível é como pegamos esse espinhos do outro, fazemos deles nossas dores. Tomamos-as para nós mesmo e vivemos daquilo, lutando junto. Talvez seja a mágica do amor-amigo: tomar a dor do próximo e a aventura alheia para si.
Adorei demaaaaaaaaaais esse post!

Monique Premazzi comentou:

Seus textos são sempre lindos e você tem talento sim. Acredito totalmente no seu potencial, amiga. Boa sorte, sempre.

Ai amiga, eu ando tão deprimida por não conseguir escrever nada ultimamente. Por isso eu pensei, mas já esqueci isso, não se preocupe. Não posso deixar meu filho, eu morro sem ele! Obrigada pelo apoio amiga <3

p.s: Votei outra vez :)

Inercya comentou:

Apesar de ser nova por aqui, já gostei e muito. Votei pela segunda vez. ;)

Alanna Stefany comentou:

é verdade, que lindo.
beijão flor.

Natália comentou:

Nada exagerado é bom. bj

Bell Souza comentou:

Obrigada gente, e me desculpem a ortografia desse texto. não revisei e acabei postando com alguns erros e palavras faltando. mas obrigada ao carinho de todos.

- maria elis comentou:

te desejo toda sorte no concurso,minha rosa (:

sim, eu votei também.

beijas beijas :*

Ariana comentou:

Primeira vez que venho aqui e adorei!
Escreves muito bem, e tens toda a razão!


bjos

Isadora Beatriz comentou:

Sim, darling é talento e MUITO!
Eu não escreve mais textos assim para colocar em blog, as vezes escreveo só para mim sabe, nesse meu novo blog só escrevo sobre livros, series, filmes, etc. :~

beijos, isa.

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth