Falando de amor.

É possível que eu me apaixone todos os dias pela mesma pessoa?
- A cada instante essa certeza me inunda: amar-te mais e mais.

Ela saiu furiosa do ponto de ônibus. Primeiro: estava atrasada demais para ir ao colégio e segundo: sua respiração começava a falhar.
Controlou a língua felina em respeito ao céu azul parcialmente nublado do mês de Agosto e pôs a mão no bolso do jeans capturando o celular em frações de segundos. Discou o número familiar e esperou que a sua mãe atendesse ao telefone em casa.
- Alô.
- Oi mãe, não estou indo para o colégio. Passei mal no ponto de ônibus, resolvi ir ao hospital, estou na metade do caminho. Liguei para avisar.
- Mas você não deveria entregar o Projeto Elétrico hoje?
- Deveria, mas meu peito dói e a respiração está entrecortada.
Interrompeu a ligação em seguida, não precisava dos sermões da mãe. Aumentou o passo, esbarrou em duas pessoas e atravessou a rua na frente de um carro.
Empurrou a porta do hospital e deu de cara com um ar-condicionado 15°C que mais prejudicava a inspiração do que outra coisa. O atendente vendo o rosto debilitado da moça não hesitou em proporcionar-lhe e aos outros pacientes, um ambiente menos hostil. O termômetro na parede, sem dificuldade, registrou a nova temperatura: 20°C.
Para ela, o ar dos 20°C era mais ameno e suportável. Para o atendente, haviam cortado seu devaneio de estar na Suíça, como se na Suíça não fosse tudo grau negativo.
Sentou numa das cadeiras plásticas verde, abriu a carteira e retirou os documentos necessários entregando ao menino leptossômico atrás do murinho de acrílico. Após conferir os documentos, o rapaz imprimiu a requisição e solicitou a assinatura da garota nervosa por não conseguir respirar.
Correu à sala da médica enquanto ela voltava a sentar na mesma cadeira plástica. Meio minuto depois, o recepcionista apático retornou e lhe disse que seria a próxima a ser atendida.
Pescou novamente o celular no bolso do jeans e discou o número da única pessoa que a compreenderia e lhe faria melhor.
- Alô!?
- Oi amor, sou eu.
- Desculpa seu número não apareceu no aparelho.
- Deve estar oculto, nem sei. Emprestei o celular ontem a minha irmã.
- Você está bem?
- Não! Estou no médico, vem ficar comigo?
- Crise alérgica, não é?
- Isso mesmo... - suas bochechas arderam de vergonha e prazer por ele conhecê-la tão bem.
- Eu também estou no médico, preciso tirar um raio-x, mas assim que terminar eu vou ao seu encontro. Caso haja um empecilho, eu aviso.
- Certo. Beijos amor.
- Beijos e fique bem.
- Eu vou ficar. Tchau.
Dez minutos se passaram desde que adentrou o hospital; estava na nebulização pedindo baixinho a Deus que o amado de sua alma estivesse ao seu lado. Adorava consultórios médicos, mas só quando tinha acompanhante.
Ficar ali sozinha, sem um rosto conhecido é bastante solitário.
Permaneceu 40 minutos numa sala minúscula olhando para as paredes brancas decoradas com quadros infantis de animais selvagens com uma máscara respiratória no rosto.


- Haverá Continuação!

11 Comentários:

dianaBruna comentou:

AAhhh, cade 'ele que não chega?
Lindo!

Franciele Valadão comentou:

Sim, acredito que seja possível.

@juusep comentou:

AA o que acontece? *-*

Isadora Beatriz comentou:

woow, wooow, adoro estorias com continuações e isso me lembra "Permanente" sim, eu não esqueci. UHAUAHHAHA

Adorei o conto e estou muito louca, o que não é novidade, pela continuação!

beijos, isa.

Inercya comentou:

Adorei seu conto. Descrições, sensações, palavras... E que bom que vai ter continuação. Espero que ele vá lá ficar com ela.
Volto aqui para ver a continuação *.*
"É possível que eu me apaixone todos os dias pela mesma pessoa?
- A cada instante essa certeza me inunda: amar-te mais e mais." - lindo demais.
:***

comentou:

ai, que agonia, por que ele não chega? =]
'É possível que eu me apaixone todos os dias pela mesma pessoa?' - acho que é possível...
mentira, tenho certeeeza de que é possível!
adorei seu blog, guria, tô seguindo e esperando a continuação!
beeijo

absolen comentou:

Bell, já viu esse concurso?
http://www.blogbooks.com.br/paginas/concurso

considere participar dele ;)

- Mateus Bernstein comentou:

quarenta minutos que devem ter parecido uma eternidade.

olha, não sei que quem ficou mais ansioso nessa história: nós - à espera da continuação - ou ela à espera dele.

abração
mateus

- Mateus Bernstein comentou:

"Voto efetuado com sucesso
Seu voto foi computado para o blog About my Truth, agradecemos imensamente sua votação." :)

hahaha, obrigadíssimo também pela visita e pelo comentário. e, sim, pode "pegar emprestado" o que você quiser.

boa sorte com a votação, continua escrevendo e sucesso!
abração

Mateus

Any comentou:

Super votado flor...
boa sorte
beijos

@juusep comentou:

Votei! ;D

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth