Falando de amor. [2]

É possível que eu ame a mesma pessoa até o fim dos meus dias?
- É tudo que eu quero fazer: acordar ao seu lado eternamente.

Pensava em como é não ter pessoas que a amem de verdade. Sentia os olhos embaçados das lágrimas que surgiam involuntariamente, afinal, se ele a amasse mesmo já teria dado um jeito de aparecer.
Não que ela seja egoísta, mas prefere a dor à solidão.
A enfermeira gentilmente retirou a máscara, desligou os aparelhos e lhe disse que estava liberada.
Precisou apenas passar novamente pela médica para que seus documentos de liberação fossem assinados e carimbados.
Pegou a bolsa, o atestado médico, suas parafernálias na recepção e foi embora com os olhos ardendo do recente choro. A dúvida entre pegar um ônibus e ir andando para casa dissolveu-se feito mágica. Seu amor estava tão perto, a três ruas de distância. Discou novamente o número dele e obteve a confirmação: ele ainda estava esperando atendimento.
É claro que ela seguia furiosa por tê-lo esperado, por sonhar que ele estaria falando besteiras no intuito de deixar-lhe alegre na expectativa de que sua respiração estabilizasse.
Chateada por dificilmente algo sair a sua maneira e angustiada pela sua fragilidade física, mesmo que no ser seja forte.
Empinou o nariz, amenizou com maquiagem o rosto inchado do choro pensando na expressão de desagrado que faria quando o encontrasse.
Esperou o sinal para pedestre ficar verde no cruzamento na esquina do hospital indo pomposamente em direção ao garoto que arrebatou abrasadoramente seu coração.
Abriu a primeira porta, pediu informação à recepcionista, bateu o pé no chão de ansiedade contanto os segundos finais.
Disca o número; ele reclama: - setor errado! Atravesse a rua.
A garota venenosa respirou fundo tentando não surtar; os carros pararam ao pedido dela e pode seguir seu caminho.
Pela terceira vez abriu uma porta de clínica desde que acordou e , seus pesares, solidão, raiva e medo diluíram como açúcar em água. No instante em que seus olhos penetraram a imensidão verde dos olhos dele, o olhar seguro; seu amor, seu menino.
Olhos caramelo-mar! Intensos, profundos, donos de uma convicção muito maior que a certeza de que a cada dia o Sol irá nascer.




- Essa é uma pequena história que compõe as minhas mil facetas ao lado do menininho do meus sonhos. Cada dia é dia, cada mês é mês e nesse ir constante faremos numa data próxima 10 meses de sentimentos infinitos.

5 Comentários:

Inercya comentou:

Adorei a história e até queria mais continuação. É realmente inspiradora.
E parabéns pelos 10 meses de sentimentos infinitos. *.*
E sim, votarei no seu blog ;D
:*

dianaBruna comentou:

Lindo, Bell. Perfeito!
=**

Wevertton comentou:

Pera aê ne. Eu preciso de ler a primeira parte pra poder entender... agora estou na correria! De noite eu volto pra ler! rsrsrs

Beijos e passa la ;DD

Bia comentou:

Adorei , achei muito fofo o texto do último post e esse tamb[ém , tão delicado , e tão fort ao mesmo tempo *-* Já votei em você , espero que vire livro pra que eu possa comprar (yn) MUITA boa sorte , Bell :D
Tô torcendo aqui !
Beijos :*

- Mateus Bernstein comentou:

é incrível como o amor desarma a gente.

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth