Indagações.

Quando a vida chega em um ponto onde suas escolhas precisam ser feitas para preservar o coletivo, o que você faz?
Você se esconde e deixa que tudo siga como tem que ser ou, assume uma postura madura frente a sua realidade?
Quando você não sabe dizer ao certo quem é a pessoa que habita a sua carne, você tenta exorcizá-la ou, conhece intimamente o habitante?
O que é melhor: ser uma droga de pessoa vivendo de aparências ou quebrar o sistema e ser alguém digno?
Quando tudo que você faz é fugir, para onde você vai?
Que lugar é bom o bastante para te fazer abandonar as pessoas que te amam, que te apoiam e que cuidam de você?
Quando a sua vida chega em um ponto onde a loucura e a lucidez andam de mãos dadas; você grita? Você pira? Você pára e repensa ou fica a vegetar?
O que é pior: saber que está errando e continuar no erro ou errar inocentemente?
E existem inocentes? 
Quando o mundo ao seu redor declara: "seja magra, alta, loira e transe com o primeiro cara que aparecer", você faz? Você cumpre? Você se submete?
Quem diz não? Quem prefere o contra? Quem escolhe não fazer parte da massa total?
Quando a minha vida chega num determinado ponto, em uma encruzilhada, eu sei que a decisão de seguir é minha mesmo que a minha decisão seja voltar atrás e começar de novo.
E você; sabe o que fazer?




Na vida é importante saber definir com clareza quem você é
e quem você quer ser.

5 Comentários:

Leticía Gomes comentou:

oi bell (:

que bonito. é de autoria sua, né?
é um pouco instigante, o tipo de texto que eu li respondendo e refletindo. me fez pensar sobre a minha relacao liberdade-decisoes.

seu blog tá muito bonito. tinha tentado comentar semana passada nesse poema aqui em baixo, mas o blog tava com algum problema. mas acho que agora ja tá normal.

beijos (:

maria elis comentou:

eu decido no mamãe-mandou-eu-escolher ... '-'
às vezes, eu me escondo e às vezes eu pago de madura.
eu sempre gosto de conhecer intimamente as pessoas, mesmo que isso não seja bom pra mim.
eu gosto de quebrar o sistema e de ser diferente ._.
eu gosto de fugir pra minha casa, sempre (:
nenhum lugar é tão bom assim.
grito nada, mantenho o silêncio pra ninguém perceber ;)
errar faz parte, então não acho que errar seja ruim - sempre aprendemos com os erros, mesmo que seja a erra melhor '-'
cada um é inocente em algum assunto.
eu digo que já sou magra, gosto da cor do meu cabelo e se o primeiro cara que aparecer se tornar o meu marido ... :)
eu tenho o costume de sempre dizer 'não' antes do sim, ser do contra hoje em dia é fazer parte da massa total, então.
tem coisas e decisões que a gente só sabe quando chega a hora.

beijas, meu amorzinho de pessoa :*
(L)

Bell Souza comentou:

Let, esse texto é todinho meu, como (quase) tudo que tem aqui. :)

George Nunes Bueno comentou:

Quantos questionamentos!
Assim somos!
Penso que a pergunta 'e o melhor caminho... para se chegar nas respostas!
E mesmo que n~ao chegue... o caminho vale a pena!

Beijos e sds!

Gabriela Morgante comentou:

É de perguntas que levamos nossa vida!
ótimo texto!
E seu blog é muito lindo, eu amei o layout *-*
Parabéns!

Beijos,

Gabi
Mundo Platônico
http://gabiiem.blogspot.com/

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth