Estação da Lapa.

Eu vi o menino sentado na velha estação da Lapa,
 cabelo colado no rosto e as lágrimas que escorriam sem pena, 
tingidas de preto. 

Ele me encarou assustado, 
sugando a minha paz, meu amor, meus sonhos. 

Abriu ferida em brasa nessa alma lassa,
 que já não sabia dizer os trens que seguiram viagem, 
as horas do dia, a época do ano; pior, 
eu já não sei dizer quem sou desde então.


Rebeca C. Souza

12 Comentários:

Nina Auras. ♥ comentou:

Nossa. Simplesmente maravilhoso. Como, deus, COMO posso ter palavras para descrever esse texto? E o final, então! A pessoa esquecendo de quem é, desde que conheceu alguém, me deixou tipo chocada. Mas foi simplesmente apaixonante. Amei aqui, maravilhoso! *-*

quareesma comentou:

vai atrás dele e quem sabe ele possa te dizer quem és ;]

beijas, linda :*

comentou:

Bem profundo, seu texto!
Você escreve super bem, li os outros textos aqui!
Parabéns!

http://falando-peloscotovelos.blogspot.com/

Camila Mancio. comentou:

Coisa linda esse blog, amei.

Anônimo comentou:

ler todo o blog, muito bom

Pelo amor ou pela dor .. ! * comentou:

Que lindo *-* to te acompanhando sempre viiiiiiiiu ?
amo teus textos.

Bell Souza comentou:

Vocês são uns amores... nem era isso que eu queria dizer, mas adoro quando a interpretação de vocês vai além da minha!

Inercya comentou:

Nossa, adorei!
;*

Priscila Nascimento comentou:

Não sei como comentar, mas enfim, fico bem legal, seja lá qual for o que você quis dizer nele, eu gostei *o* HAHAH'

http://mudandopordentro.blogspot.com

Tati comentou:

Olá dona Bell, seu texto[conto], me tocou profundamente. Porque vier humanamente é isso mesmo, ter toda a nossa paz, sossego, sonhos, identidade própria tirada quando nos deparamos com a tristeza/angústia/inquietação/necessidade ou seja lá o que for que alguém nos revela como dependência.

Quando somos humanos com toda a nossa essência humana, sentimos o outro e nos esquecemos até de nós.

Sinto assim.

Muito bem escrito e incrívelmente bem desenhadas todas as cenas e imagens da estação da vida que você pintou.

Beijos

Bell Souza comentou:

Ai Tati, você chegou lá, no ponto exato do texto. ! Beijos enormes e muito obrigada a todos.

onzepalavras.com comentou:

Obrigada querida, pela sua generosidade com os meus textos. Para que eu acesse seu espaço com mais facilidade, vou relacioná-lo na minha lista de blogs amigos.

Um grande beijo, Ana

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth