Protótipo.

Camaçari, 07 de Outubro de 2010. 
"O meu mês da verdade de Deus."

Olho a borboleta estampada no lençol da cama e penso nas cores dos dias de sol da cidade de ponte baixa e orla de água doce, marola de rio.
Vejo sobre a cama o perdão que nunca tive das injúrias que professei ao céu e dos meus atos pecaminosamente carnais, estendido igual à coberta macia, sob minhas pernas, com cheiro de flores silvestres do amaciante que minha mãe usa.
Arrepender-me das loucuras com paixão e sofrer pelo mal que fiz bem feito será lembrança vaga de uma ação que existiu, por 2 segundos, na memória; sem o devido tempo-espaço de consumir o coração dormente.
Sinto-me honrada mesmo assim. Até quando não permito que os dizeres abençoados do Criador encontrem eco na minha garganta. Até quando não me prostro em martírio eterno por ser leviana.
Ah, menina; sei que compreendes. Tu que assim como eu, enfrenta os teus próprios demônios vestidos de anjos todos os dias.
Não queria me meter com as cordialidades do nosso mundo globalizado, mas ter-te perto enfeitando a tela da minha janela, é bom demais da conta. E sei que em matéria de pecado social andamos juntas.
O teu se dá no amor diferente, e o meu, na solidão dos passos; passos ritmados emparedados por artérias.
Se cartas precisam de selos, essa ficará oculta pelas folhas intactas deste meu mundo alienado. Mantendo a rasura que é marca natural da personagem cuspideira de verbos.
E se carta, esta aqui, não for; selarei os versos com atestado estadual, ansiando o brilho dos teus olhos fundos ao contemplar a força imperativa dos desejos que devoram os dedos corrompidos.


- O perdão vem de Deus e o arrependimento procede do homem. Mas quando não há esse entendimento, é obra de quem? Do diabo?

{Sem destinatário. Fica para os que, assim como eu, 
desentendem-se com o perdão e o arrependimento.}

15 Comentários:

comentou:

Que maravilha...
Quem quer ler um texto bem escrito é só vir neste blog!haha ;D
Não tenho nem o que falar, principalmente dessa frase:
"Se cartas precisam de selos, essa ficará oculta pelas folhas intactas deste meu mundo alienado."
Muito fera, parabéns!

Bjo

http://falando-peloscotovelos.blogspot.com/

Ana Catarina comentou:

- adorei seu blog!
já estou seguindo! ^^

dianaBruna comentou:

Me incluia na sua lista de destinatários de cartas cheias de sentimentos e interrogações escondidas. Perfeitamente escrita, como muitas vezes.
=*

Gislãne comentou:

então esta é para mim.

bjos

Any comentou:

Para mim também!
Bom fm de semana Bell..
beijos

Elania comentou:

Você escreve muito bem. Só tenho a parabenizar :)

@juusep comentou:

Cartas sem destinos... Sempre batem à minha porta. Ao meu coração.

Bell Souza comentou:

É, algumas coisas são universais!

onzepalavras.com comentou:

O tom confessional do texto em primeira pessoal fala mais do que as palavras usadas para escrever a carta. Assinatura personalíssima.

Rafaela Bucci comentou:

Olá!

Tdo bem?
Vim aki agradecer o seu comentário no blog e, claro, também dizer que amei o seu blog, os textos, tudo!

Uma graça!

Já até virei seguidora.
Muito obrigada.
E volte sempre!

Beeeeeeijos

Cízz comentou:

Gostei muito do post. Belas palavras expressando um sentimento que aflinge á muitos por aí.
Escreve super bem!
Bom domingo!
:3

Bianca comentou:

Muito perfeito, lindo.

Muito bem expressado querida e adorei o layout do seu blog, adorei mesmo.

Italo Stauffenberg comentou:

Fico perplexo com essa tua criatividade embora não concorde com muita coisa escrita nesta carta! Deus é Deus sem agente, mas nós, sem Deus, o que somos? E quanto ao resto... bom, paro por aqui!

Eu fico tão atônito com o que escreves que me esqueci de te seguir. E estou fazendo isto a partir de agora!

Forte abraço baiana arretada!

Luiza comentou:

Seu texto me caiu muito bem nessa noite fria e incomum do Rio de Janeiro. Nesses dois últimos dias me peguei pondo no papel todos os erros que cometi esse ano e todos os arrependimentos pelos quais já me martirizei. Tenho errado bastante. Não mais do que muito, mas além do que permito-me errar... Só não sei o que é mais difícil: me perdoarem ou perdoar a mim mesma.
Adorei, Bell! Me encantei.

Tati comentou:

Ah que Lindo isso e que bom saber que é pra mim...

Beijos Bell... Obrigada

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth