Sonho que sonha com fé, não morre.

- O telescópio está pronto Louis. Você não quer testá-lo?
- Eu tenho que olhar se as amostras dos fragmentos da Lua estão prontos para a desintegração.
- Tem certeza? O Professor Pfennig disse para ter cuidado. Desintegrar essa rocha... Ele falou em explosão e não podemos correr o risco.
- Calma Júlio, eu não vou pôr fogo no laboratório.
- Espero que não, mesmo. Quando terminar dê uma olhada no telescópio, eu quero olhar algumas estrelas no início da noite.
- Vou fazer o possível para acabar logo.
Os dois meninos sonhadores se conheceram na terceira série do ensino fundamental. Júlio sonhava em ser astronauta e Louis, cientista.
Sempre preservaram os sonhos de criança e por anos, juntaram suas mesadas até que o primeiro equipamento científico foi comprado.
O Dr. Pfennig, pai de Louis, é um cientista-astronauta da Rússia, da Sonda Espacial XL-620. Foi recrutado quando tinha apenas dezesseis anos e esse é o fio de esperança no qual se agarram Júlio e Louis.
Como pretende exercer o caráter profissional, o Dr. Pfennig acabou se tornando um grande professor e a relação antes distante de Louis com o pai, agora é banhada de novas expectativas através de cada descoberta em seu laboratório improvisado no sótão da casa onde mora.
Estão os dois, na mesma idade em que o Dr. Pfenning fora escolhido para ir ao espaço, claro que numa missão totalmente secreta, levando os americanos à loucura e a quase uma Guerra Nuclear.
Mas isso é passado, as relações estão mantidas sob controles devido a inúmeros acordos de paz que as duas potências se propuseram a assinar.
Conseguiram comprar pela internet um equipamento sofisticado custando um pouco mais da metade do dinheiro que juntaram até então. Isso dava algum fundo caso houvesse uma emergência se eles precisassem de dinheiro imediato.
Júlio preparou o telescópio numa posição estratégica enquanto Louis pegou o raio-laser do pai dividindo o fragmento da Lua que ganhara no seu aniversário de cinco anos e acondicionou a rocha no Forno de Fundição de Partículas. Nenhum dos dois estava preparado para o que aconteceu em seguida.
A pedra derreteu, virou magma, solidificou-se novamente assumindo características básicas das rochas terrestres. Tornou a explodir expulsando um líquido verde estranho e fechou-se como uma porta de elevador depois que os passageiros entram ou saem.
Louis não teve coragem de olhar o líquido que ainda fervia dentro do forno deixando para Júlio a responsabilidade de analisar a amostra no microscópio de segunda mão. Nada naquele líquido fazia sentido, mas tinha certeza que se tratava de uma molécula orgânica. Suas pernas tremeram de tal forma que ele julgou não ser capaz de andar por décadas e a expressão em sua face foi tão assombrosa que mesmo depois do susto ter passado ele ainda conservava uma ou outra linha de expressão carrancuda.
- Isso não é possível! - Disse Júlio sem fôlego.
- Mas é isso que estamos vendo, Lilo. - Louis não conseguia tirar os olhos do computador que fora acoplado no microscópio registrando todos os dados estudados no microscópio.
- Se isso for verdade, podemos ganhar um prêmio, talvez até o prêmio Nobel de Ciências, Louis.
- Será? Mas ele vão querer saber a utilidade da nossa descoberta.
- Você não vê, isso é a prova que todos os cientistas que estudam o espaço procuram: se houve ou não vida fora do nosso planeta.
Podemos dizer também que, como mostra claro na tela do nosso computador, se há vida na Lua pode muito bem existir vida em Marte, por exemplo.
- Não vamos exagerar. Ainda não podemos afirmar muita coisa com uma simples molécula.
- Não é uma simples molécula, Louis. É uma molécula de água.
Atrás da porta estava o Carlos, amigo de Louis antes dele conhecer Júlio.
Carlos tinha ido chamá-lo para uma festa que teria no final de semana e a mãe de Louis disse que eles estariam brincando no sótão e que ele poderia ir até lá para perguntar ele mesmo. Carlos nunca superou o fato de ter perdido o melhor amigo. Sempre foi mimado e sempre achou que o mundo deveria girar em volta dele e essa, pegar a amostra e dizer que a descoberta é sua, seria uma vingança muito melhor da que tinha planejado desde o dia em que fora deixado de lado.
E na manhã seguinte, enquanto os dois garotos seguiam para o colégio, descobriram que todos os tele jornais anunciavam a mais nova descoberta científica do mundo: " o jovem Carlos Lazzo descobriu em seu laboratório ontem a tarde através de uma análise simples usando fundição de partículas que há moléculas de água na Lua..." . Louis queria matar o ex-amigo. Nunca imaginou que ele pudesse ser tão dissimulado, tão mau caráter. Arquitetou todas as maneiras possível de acabar com a farsa de Carlos, mas Júlio foi bem firme quanto a situação lembrando ao amigo que Carlos possuía um laboratório de física em casa, com quase os mesmos equipamentos além de conhecer muito bem esse campo de estudo.
- Louis, não se esqueça, se acreditaram nele, é porque a uma hora dessas o nosso laboratório deve estar em ruínas, os dados do computador apagados, e todas as amostras e fragmentos roubados.
- Esse era o nosso sonho...
- Vamos agir Louis, fazer algo melhor, mostrar resultados que não são esperados. Superar a nós mesmos. Afinal, essa descoberta é nossa. É tempo de recomeçar, de refazer e reavaliar.
- E depois que conseguirmos fazer tudo isso?
- Deixe isso comigo, eu tenho uma idéia.
E os dois, não tão meninos, trabalham duro, aperfeiçoaram cada conhecimento, cada fórmula, cada cálculo e tudo o que pudesse ser usado para provar a autenticidade das suas descobertas. A certeza de Louis é a sua forma de vontade, perseverança.


Ps: Aos guerreiros que lerem esse texto até o final, eu agradeço! Exagerei. =/. Kisses

5 Comentários:

Di Lopes comentou:

Impossível não ler até o final *-*

Pelo amor ou pela dor .. ! * comentou:

Que blog lindo, texto lindo. Parabéns. ♥

amanda gomes. comentou:

concordo com vc!
belo texto
;*

Naty Araújo comentou:

Haha... eu li até o final \o/
E sou prova viva disso, afinal... estou avaliando seu texto rsrsrs.

Mto bom, bom mesmo... Deixo os comentários pra depois, senão saberá sua nota.

Beijos, linda

Monique Premazzi comentou:

JURA QUE GOSTOU MESMO? AI que linda amiga. Obrigada por sempre comentar lá, e me aturar no MSN. KKKKKKKKKKKKKKKKKK <3

Sobre esse texto GIGANTE. WOW, deu preguiça de ler, confesso ;x
Adoro coisas cientificas. Eu desde que comecei a ler lembrei do Tom do mcfly, ele iria adorar ler esse texto KKKKKKKK Ficou demais *-*

xx

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth