40 graus!


 Tirou o tênis sujo dos pés, despiu o tronco branco, passou os dedos entre os cabelos loiros , inspirou o ar puro das seis da manhã e tentou uma corrida para acalentar o corpo sofrido dos açoites severos do vento atlântico.
 O tênis lhe proporcionaria uma estabilidade na areia fofa da praia, mas a massagem que só areia sabe dar valeria o esforço extra. Parou num ponto onde mar e céu é textura uniforme, dimensão única; um mundo à parte do nosso.
 Arrancou o calção, a peça que ainda lhe sobrava sobre a pele, permitindo-se um banho de acender espírito e uma nadada de aspirar células novas expulsando os Karmas da noite passada. Da noite, nem boa nem ruim, na companhia dela: a menina.
 Não compreende a dificuldade que a sociedade tem em lidar com o nu, fica aflito sempre que precisa – por conveniência – esconder a si de si mesmo, mas se satisfaz com os minutos em que pode ficar tranqüilo na maré alta de sol nascente.

 Caminha agora ele, lentamente, em direção a margem. Recolhe o calção, passa pés e pernas nos buracos e ajusta na cintura com o cordão fino. Supre a falta de calor com outra corrida beira mar; corrida de volta. Senta, respira, contempla, e seus olhos azuis-verdes-constelações iluminam o litoral ansioso em acordar. Vira estrela de primeira grandeza, mas no Rio, temperatura é no mínimo, 40 graus.
 Analisa as curvaturas femininas que surgem de não muito longe, e os raios de sol que iluminam o oceano lhe penetram o prisma ocular – gota d’água cristalizada -, penetram na face que enrubesce; a pele alva que doura e os cachos fartos que aos poucos se decompõem ao balanço do vento.
 Coloca no ombro a regata clara, segura entre os dedos o tênis sujo e sorrateiramente chega no calçadão onde flerta com músculos, veias, cabeça e olhos indolentes, teimosos em invadir o biquíni do corpo da outra. Ele gosta e todas as cores se tornam visíveis. E todos os tons são palpáveis, e todo ele próprio é muito mais real.

 Sacode a areia que antes lhe dominava as pernas. Pede uma água de coco na barraca ao lado; pois no Rio, temperatura boa é 40 graus. Bebe com abundância, assobia, arrepia, suspira e mais mulatas, ruivas, loiras, mestiças e as de outras cores, jeitos, modos, formas, amores, temores registram a malícia do moço mais alto que eu, dos olhos mais claros que os meus e de postura mais incerta que os demais.
Arruma-se, enxuga o cabelo que mesmo ao vento pinga; pisca os cílios claros para conter a luz intensa, dá partida no carro, segue a rotina dos 40 graus, dorme ao lado da mesma mulher e volta ao seu estado natural: que é ser eternamente o meu Menino do Rio.

Para os olhos claros mais incríveis,
Para o abraço mais esperado,
Para as conversas mais maliciosas,
Para o menino sempre 40°C.
Para o branco que me faz querer ver muito 
mais do que minha retina pode enxergar.
Para o único: Raffaele Nicola Crelick Neto.

10 Comentários:

Monique Premazzi comentou:

Amiga que texto sexy! Ameeei ele ter sido inspirado no calor do rio. OIJOIASJOSAJOPASJASJOASJ adorei
xx

Christine Wengrzynek comentou:

BElo texto, você sabe usar bem as palavras, gostei da maneira como escreve .-.

http://cgw-sonhoperdido.blogspot.com/

Raffa comentou:

huhul, finalmente! rs Demorou mas adorei o texto! (6' Te amo, bell (L)'

Tati comentou:

Oi...

Gostei muito do texto... Ficou sensual, envolvente e bastante intenso. Bom o ritmo que você escreveu e descreveu cada instante. Gostei muuuito mesmo.


Grande Beijo.

dianaBruna comentou:

Uau!
Envolvente mesmo! Me encantou...
=))
Rio 40º?
Vem pra cá pro Pará tomar um banho de chuva ao sol escaldante de meio-dia!
hehehe
bjiiin

Babizinha comentou:

Obrigada por visitar meu espaço, Bell e desculpe-me vir tardiamente em retribuí-la!

A Tati sempre indica blogs, adoro isso nela. E devo dizer que é o primeiro texto que leio daqui e adorei. Você utiliza palavras que cotidianamente são raras de se usar, mas que dentro da narração deram um charme a mais. Um texto um tanto quanto sensual e sutil.

Beijos
:*

Cizz comentou:

Muito sexy!
>.<
^^
:3

Natasha Knorst comentou:

Nossa adorei mesmo! Sexy e envolvente!

Carla Rosenvelt comentou:

Quer saber? Gosti.
Deu saudade de Raffa, mas eu gosti.
UAHEUAHEAUEAHA

bem hot'n cold :O

Natália comentou:

muito lindo :D bj

 
Licença Creative Commons
O trabalho About My Truth - Sobre As Minhas Verdades de Rebeca C. Souza foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em http://bell-aboutmytruth.blogspot.com.br/.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://www.facebook.com/aboutmytruth